30 de mar de 2012

Meninos que fazem crochê: mudando vidas com fios e agulhas..

 Kohl Crecelius, Stewart Ramsey e Travis Hartanov ©Cedric Bihr/Reprodução

Fios e agulhas podem mudar um país. Ao menos é o que a Krochet Kids International, uma organização sem fins lucrativos, acredita. Fundada por Kohl Crecelius, Stewart Ramsey e Travis Hartanov, três jovens da cidade de Spokane, no estado de Washington, Estados Unidos, a instituição tem o propósito de, por meio do ensinamento do crochê, capacitar mulheres que vivem no limite da pobreza no norte de Uganda e no Peru para que elas, após o aprendizado, possam criar suas próprias fontes de renda, seja a partir de pequenos negócios individuais ou cooperativas.
Por mais peculiar que possa parecer, a organização foi criada e é mantida pelos três americanos que, além de exercer funções administrativas, foram os responsáveis por ensinar a equipe que trabalha em tempo integral na instituição – atualmente são oito pessoas, mas, em breve, segundo Crecelius, serão 10 – e que viaja para, em meio à pobreza e desolação de Uganda e à desigualdade social do Peru, dar aulas de crochê a mulheres carentes, em geral mães de muitos filhos e únicas provedoras de sustento para seus lares. A iniciativa pode parecer ingênua, mas a KKI já é umas das cinco ONGs que mais empregam na cidade em que atua no país africano.
Tudo começou ainda no colégio, quando Crecelius aprendeu a fazer tricô com o irmão mais velho. Logo, o americano ensinou a habilidade a seus dois melhores amigos, Ramsey e Hartanov. Com o passar do tempo, os três jovens passaram a gostar cada vez mais de confeccionar toucas, que usavam em diversas ocasiões, entre elas na prática de esportes de neve e na escola. As peças fizeram sucesso e Crecelius, Ramsey e Hartanov perceberam a possibilidade de lucrar com o trabalho manual – o que fizeram na época de seu baile de formatura, quando, ao vender os itens, conseguiram somar mais de US$ 1.000 (R$ 1.800).
No verão de 2006, Ramsey foi a Uganda trabalhar como voluntário em um orfanato, sediado em um campo criado pelo governo para abrigar pessoas desalojadas. A estada nesses locais, em teoria, deveria ser temporária, mas o americano encontrou famílias vivendo há 20 anos no lugar. Em entrevista a “T”, revista online do jornal “The New York Times”, Ramsey contou que ao conversar com diversos habitantes desses campos ouviu a mesma resposta: “Se você realmente quer me ajudar, me dê um emprego”. O estalo para criar a KKI partiu da experiência: “Nós percebemos que a simplicidade do crochê é a sua mais profunda qualidade. Com agulha e fio, as pessoas podem fazer produtos incríveis. Ao ensinar essas pessoas a fazer crochê, nós estamos capacitando-as para vencer a pobreza”, escreveu Crecelius no site oficial da organização.
A equipe da KKI e dois modelos de toca vendidos no site da organização ©Reprodução

Quando já estavam na metade da faculdade, Crecelius, Ramsey e Hartanov requereram o “certificado” de organização sem fins lucrativos, adquirido em definitivo em janeiro de 2008: nascia assim a KKI. Pouco tempo depois, os americanos estavam viajando para o norte de Uganda com 15 bolsas repletas de fios, agulhas e a esperança de transformar vidas. Atualmente, segundo os idealizadores da instituição, cerca de 160 mulheres já ganharam independência e sustento por meio da técnica do crochê. Grande parte das peças confeccionadas pelos membros da instituição e seus alunos é vendida online; os preços variam de US$ 21,95 (R$ 39,99) a US$ 31,95 (R$ 58,20).
É engraçado ver que os comandantes por trás dessa iniciativa sejam três jovens meninos. No Brasil, um dos trabalhos mais bonitos em tricô é feito também por um rapaz, Lucas Nascimento, radicado em Londres, que aprendeu a técnica com outro mestre tricoteiro. Um amigo do FFW, em uma viagem recente para Washington, viu, em diversas ocasiões, meninos tricotando em lojas e cafés. Essa onda de novos crocheteiros mostra sinais de que homens dessa geração começando a buscar uma vida mais sustentável, menos ansiosa e menos ambiciosa.

 http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=zIXuOuQC7Zc

 Parabéns aos meninos que fazem a diferença.
 Seguidores, visitantes e amigos.
 um otimo fim de semana.

12 comentários:

  1. Oi Rosa!
    Vim agradecer sua visitinha e o carinho, obrigada de coração!
    A mãe saiu do hospital! Depois do susto, agora está tudo bem!
    Valeu pela força, você é um amor!
    Beijos, Cá.

    www.rosaacessorios.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom feliz com a Noticia! beijão especial a vc e sua mãe.

      Excluir
  2. Que lição de vida!! Gostei!! Parabéns pelo blog. Obrigado pela visita. bjos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito feliz com sua visita. Obrigada beijão.

      Excluir
  3. Olá Rosa Td bem ?
    Vim aqui retribuir sua visita ao meu blog !!! Obrigada e sempre que quiser voltar será muito bem vinda !!!
    Adorei os cachecois, já estou preparando os meus aqui para logo mais posta-los
    Beijos e até mais

    Liliam

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Liliam, obrigada pela sua visita. Obá! qto aos cachecóis. Vou passar sempre no seu blog para ver as novidades.

      Excluir
  4. Olá amiga blogueira.Vim agradecer a visita e te seguir. Encontrei coisas lindas por aqui. E o trabalho dessesmoços? Muito boa essa reportagem. O mundo precisa de mais pessoas assim. Bjs Lê
    Bu 174 http://penachioarte.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Leni com certeza o trabalho deles é lindo. Até tive inspiração em fazer algo assim tbém.É tão gratificante passarmos o que aprendemos, pois só assim existmos como seres humanos. Acho que assim construimos algo melhor no mundo e deixamos uma historia em beneficios aos que não tiveram oportunidades. Os ensinamento de Jesus! Não dê o peixe, ensine a pescar. Conhecimento é algo que ninguém tira. Obrigada pela visita volte sempre. Bjus na alma e um otimo fim de semana.

      Excluir
  5. Olá, Rosa!
    Você me deixou feliz com sua visita.
    Gostei muito da repottagem,
    Beijinhos!
    Sonia Faria

    ResponderExcluir
  6. Muito boa essa matéria e incentivadora,parabéns pelo blog ,vim retribuir sua visita ,bjsss,tenha uma linda semana!

    ResponderExcluir
  7. Olha euzinha seguindo vc também! Muito obrigada pela visita. Que pena roupa e acessórios de inverno nós aqui de Goiás só ficamos com vontade....rsrsrsrr! Gde Bjo.

    ResponderExcluir
  8. Olá querida.
    Lindas novidades você tem por aqui.
    Vim retribuir sua gentil visita e te seguir também.
    Bjs

    http://artesdamoniquinha.blogspot.com.br/
    Blogueira Unida nº 60

    ResponderExcluir

Muito feliz com a sua visita.
Volte sempre. Obrigada